Pierre-André Martin

Pierre-André Martin

http://www.pa-martin.com

Listed on the AKOUN

Originário da região de Aude e de uma família de viticultores, PIERRE-ANDRÉ MARTIN começou a pintar em azeite na adolescência, sem dúvida inspirado pelas cepas de vinha que correm em filas apertadas nas encostas generosamente curvadas.

O artista gosta de desdobrar magnificamente um céu cheio de histórias pessoais, abrindo assim o horizonte para um ballet extasiante de cores, formas, sinais e símbolos. Fragmentos de vida e sinais geométricos que são testemunhas de uma longa viagem, tal como nós a sentimos. "A minha pintura conta os momentos felizes da minha vida", diz ele. Como arquitecto urbano que vive em Montpellier, sempre foi fascinado pelas fachadas do porto e pelos seus reflexos na água. Só se pode sorrir e maravilhar-se, contemplando todos estes espaços sideralmente repletos de cores e ritmos, inseridos em múltiplos lenços levantados pelo vento da inspiração. Variações magníficas estão inscritas como pontuações em fundos de tela. É tão bom viver perto dos cais, não muito longe das cigarras, tão perto das tradições, convidado pela voz do tenor Georges Thill a descobrir os locais e a percorrer os caminhos da vida... em canções. Uma atmosfera calorosa e fabulosa de rara intensidade.

Encontramos o espírito das grinaldas festivas, a proliferação de ornamentos como em Gaudi e a multiplicidade de motivos multicoloridos como as obras do pintor-arquitecto ecologista austríaco Hundertwasser. O artista foi provavelmente também influenciado, nos seus anos de liceu, pelas muralhas creneladas de Carcassonne, pelo clima ameno e pelas cores quentes dos telhados e paredes de Toulouse e Albigensia durante os seus estudos de arquitectura no Beaux-Arts, e depois pelas fachadas e riqueza iconográfica dos museus de Paris, enquanto completava os seus estudos de arquitectura no Beaux-Arts e frequentava o estúdio Le Maresquier.
Nas obras de Pierre-André Martin, podemos ver uma grande liberdade na utilização de referências plásticas.

Pode-se falar aqui de um realismo fantástico devido à profusão de motivos abstractos, figuras e objectos "significativos" espalhados no espaço superior da grande maioria das pinturas. Ele parece mesmo estabelecer uma ligação entre a poética evocada nas obras de Paul Klee e o construtivismo abstracto das composições de Kandinsky. Não podemos permanecer insensíveis a um tal espectáculo. Uma arte salvadora bem-vinda revela-nos: uma bela sinfonia libertada das restrições espaciais, exaltando a experiência do artista com originalidade. É toda uma poesia que dela emana, uma cosmologia cromática que nos ilumina e nos empurra para o espanto. Ele diz mesmo: "O céu representa o infinito". Este hino dedicado à criação, à experiência e aos encontros é outra forma de tornar visível esta aspiração secreta de viver plenamente, ...de se tornar...de sonhar com toda a certeza...de meditar.

A grande maturidade deste artista completo convida-nos a reconsiderar a relação entre a terra e o céu, através destes sumptuosos frescos que tentam libertar-se da gravidade. Talvez um apelo a uma espiritualidade viva, enraizada numa humanidade realizada... A ser descoberto ou visto novamente. Se ainda hesitas, olha para todos estes céus e serás tomado por um sentimento de exaltação!

Chris CANTER-BRIENS, critico de arte

Existem 11 produtos.

Mostrando 1-11 de um total de 11 artigo(s)

Filtros ativos