Michèle Trédé

Michèle Trédé

http://www.michele-trede.com

A partir das suas experiências anteriores no campo da arte e cultura, Michèle Trédé tem, desde o seu regresso à Normandia, retido as que dizem directamente respeito à prática da criatividade. De facto, foi através de problemas relacionados com a criatividade (a sua própria e a dos outros) e através de uma "necessidade interior" de produzir imagens e objectos que ela alcançou a sua abordagem actual da escultura.

Tendo trabalhado com madeira, pedra, terracota e bronze desde 2009, o seu foco foi particularmente trazido para o corpo todo importante. Pode-se dizer, sem exagerar, que o tema a escolheu.

Primeiro examinou as representações tradicionais e contemporâneas do corpo, de alta e má qualidade, e ao mesmo tempo as imagens tridimensionais que podia esculpir a partir delas. Começou assim a abordar a questão (fundamental) do corpo não só através da sua concepção, posturas e gestos, mas, mais importante ainda, através das suas coreografias. Havia as coreografias comuns, como as que resultam de andar, saltar, avançar, retroceder, virar-se, ficar de pé em oposição a descansar, em suma, mover-se. Mas há também os movimentos de dança representados pelas coreografias actuais: Michèle Trédé cita Pina Bausch e uma série de outros criadores como suas inspirações.

A questão do movimento não é nova, é claro. A própria Michèle Trédé responde, com notável modéstia, desenvolvendo a sua visão da natureza todos os dias. Tal como a Natureza está nos corpos e nos seres, também o impulso criativo humano é "natural".

E assim ela dá vida e luz a personagens a partir de pedra ou madeira nodosa que foi colhida num cenário mediterrânico. medida que as figuras se transformam e engendram, não é realmente claro onde os corpos começam ou terminam; são a seiva da madeira e da figura humana combinadas. E também vale a pena notar a escala delicada das suas peças, que é reduzida, exigindo precisão e síntese nos efeitos artísticos.

Como ela sabe e afirma: o corpo é uma construção cultural e social, mas também a casa dos sentimentos e das emoções. O corpo é onde a história pessoal e colectiva, a biográfica e social, convergem.

Neste contexto, as esculturas de Michèle Trédé são muito eloquentes: o corpo é um tear para o tecido do mundo; é tratado nas suas mãos com lucidez e uma rara benevolência.

Françoise JULIEN-CASANOVA
Universidade Paris 1
Panthéon-Sorbonne Faculdade de Artes Visuais e Ciências da Arte

Lamentamos pelo inconveniente.

Pesquise de novo o que procura